terça-feira, 20 de abril de 2010

O EVANGELHO QUE ENVERGONHA

O apóstolo Paulo disse certa vez: “Pois não me envergonho do evangelho” (Rm 1. 16). Paulo foi um homem que entendeu o evangelho de Cristo. Tanto o entendeu que assumiu a responsabilidade de se apresentar aos leitores de suas cartas como um exemplo a ser imitado no comprometimento com o evangelho. “Sede meus imitadores”, afirmou. Isto não é arrogância, mas convicção e ousadia de quem compreendeu o verdadeiro sentido daquilo em que depositara a sua fé.

Para o apóstolo Paulo o evangelho era digno de inteira confiança. Para ele o evangelho estava acima de quaisquer “teorias ou pesquisas ou outras elucubrações e deduções que a ciência, a sabedoria ou cultura possam haver encontrado ou ainda venham a encontrar mesmo que sejam transcendentais e oriundas do mais elevado circulo do saber humano pois o evangelho não é uma verdade ao lado de outras verdades mas é a verdade que questiona, afere, todas as demais verdades” (K. Barth). Por isso ele disse que não se envergonhava do evangelho.

Franklin Ferreira, em seu comentário à carta de Romanos, diz que “a forma negativa ‘não me envergonho’ pode ser entendida como 'tenho orgulho' do evangelho”. A razão desse “orgulho” estava, conforme o Comentário Exegético e Explicativo da Bíblia, na glória inerente do evangelho, “por ser a mensagem vivificadora de Deus para o mundo moribundo”; e, conforme Willian Hendriksen, o apóstolo Paulo “amava muito essas boas novas”.

Para o apóstolo Paulo o evangelho é motivo de alegria, ou, nas palavras de F.F. Bruce: “O que Paulo quer dizer é que ele se gloria no Evangelho e considera alta honra proclamá-lo”. De fato, não há motivo de vergonha no evangelho de Cristo, pois ele é o poder de Deus; poder este que, de acordo com Lutero, “reduz o homem a nada por meio da cruz de Cristo”. Nada há neste evangelho que envergonhe os que crêem.

No entanto, há um tipo de evangelho que envergonha qualquer homem descente. É o tipo de evangelho sorrateiro que se prega hoje em dia. É o tipo de evangelho que se ouve da boca de pessoas como o bispo Romualdo Panceiro, da Igreja Universal do Reino de Deus, que, sem quaisquer pudores, foi filmado ensinando seus pastores a arrecacar ofertas dos fiéis da seita nos tempos da crise financeira. O flagrante posto em vídeos disponíveis da internet é mais uma demonstração da vileza dessa gente inescrupulosa que se faz de santo para enganar os incautos, propagando um falso evangelho que é digno de vergonha.

Assim como o apóstolo Paulo eu não me envergonho do evangelho de Cristo; mas eu me envergonho do falso evangelho proclamado por Romualdo Panceiro e sua turma. Eu me envergonho de um evangelho que engana as pessoas em benefício próprio. Eu me envergonho de um evangelho que visa o lucro financeiro em detrimento da simplicidade dos ouvintes. Eu me envergonho de um evangelho que se apropria do direito de dominar a consciência das pessoas e manipulá-las em nome da fé. Eu me envergonho de um evangelho que esconde a cruz e só promete vantagens materiais. Eu me envergonho de um evangelho que usa a fé como moeda de troca em Deus. Eu me envergonho de um evangelho que debocha da inteligência das pessoas e usa a Bíblia como pretexto para as safadices de gente que se esconde atrás da piedade para mascarar seus intentos inescrupulosos.

Eu estou cada dia mais envergonhado desse tipo de evangelho. Cada dia eu estou mais convencido de que é necessário uma ruptura com certos tipos de modelos evangélicos. Não é possível haver comunhão com tudo que se diz evangélico hoje em dia. Cabe muita coisa vergonhosa debaixo desse título e eu, sinceramente, definitivamente, não quero fazer parte disto. O tipo de evangelho pregado por gente como Romualdo Panceiro é vergonhoso, e não é o evangelho de que Paulo se orgulhava. É uma fraude digna de asco. Digna da mais absoluta e sincera vergonha.

3 comentários:

CARLOS DE QUEIROZ disse...

Infelizmente a igreja está cheia disto: animadores de platéia e mercenários da fé. Não apenas na IURD, como nas demais igrejas evangélicas. Mas não cabe a mim julgar quem é quem. No dia do juízo Deu separará o joio do trigo.

Leandro Red disse...

Guardai-vos dos falsos profetas que vêm ter convosco cobertos de peles de ovelha e que por dentro são lobos rapaces. - Conhecê-lo-eis pelos seus frutos. Podem colher-se uvas nos espinheiros ou figos nas sarças? - Assim, toda árvore boa produz bons frutos e toda árvore má produz maus frutos. - Uma árvore boa não pode produzir frutos maus e uma árvore má não pode produzir frutos bons. - Toda árvore que não produz bons frutos será cortada e lançada ao fogo. - Conhecê-la-eis, pois, pelos seus frutos. (MATEUS 7:15.20)

"DEUS não dorme nem tem rendição, portanto eu espero q esse pastor se arrependa à tempo pois o fim já é proximo e DEUS tem pressa nas obras... Com DEUS não se brinca"


E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo sempre. (APOCALIPSE 20:10)

Hammer disse...

Uma certa pessoa fez uma pergunta a alguém. "...sabe qual é o problema da igreja de hoje?", e recebeu a resposta: "não sei e nem quero saber". O inquiridor da pergunta logo disse é isso mesmo o problema é exatamente este "Não sei e nem quero saber". Quando li o relato do Agnaldo, logo pensei; "se minha igreja esta deste jeito, tenho minha parte de culpa nisso tudo". Recentemente tenho passado por uma experiencia amarga na congregação onde congregava, homens que se dizem "homens de Deus", sacrificando a verdade a troco de uma posição e favores de um dito "presidente", ladrao, mentiroso e prostitudo. Concluo com isso o epsodio de Acam. Israel a magnifica potencia na guerra vira as costas para seus inimigos na cidade de Ai, Josue pede resposta a Deus, e Ele lhe diz: "há pegado no meio de Israel". Veja que o Senhor não da a Josue mais numa informação, logo ele teria de tomar as providencia sozinho pois ele é o pastor das ovelhas, foi isso que ele fez, passou tribo por tribo, familia por familia, casa por casa e homem por homem ate chegar em Acam. O meu conselho irmão Carlos, é que devemos sim defendermos a obra do Senhor e não atribuir a ele responsabilidade que ele nos deu. Fique com Deus.