sábado, 21 de agosto de 2010

O QUE É A FALA DOS ANJOS?

Por  JohnMacArthur, Jr.


Se a Bíblia sempre faz referência às línguas como linguagem humana normal, então, a que se refere 1 Coríntios 13:1? Paulo disse que se falasse a língua “dos homens e dos anjos”, mas não tivesse amor, seria apenas um bocado de barulho. Será que as “línguas dos anjos” poderiam ser entendidas como a fala extática que os carismáticos dizem ser o verdadeiro dom?

Um problema com a tentativa de igualar a algaravia extática em 1 Coríntios 13:1 com o dom de línguas é que não encontramos menção alguma de “fala dos anjos” em qualquer outro lugar da Bíblia. Realmente, só o que encontramos são anjos comunicando-se com seres humanos através da linguagem humana normal. (Veja, por exemplo, Lucas 1:26 em diante). A única outra forma de linguagem encontrada nas Escrituras além da língua humana é aquela usada pelo Espírito Santo em Romanos 8:26, quando Ele comunica as nossas necessidades ao Pai com gemidos inexprimíveis.

O que Paulo estava dizendo aqui? Não estava necessariamente declarando uma realidade de fato. Estava usando uma hipérbole – um exagero – a fim de ressaltar um fato. No grego, os versículos 2 e 3 de 1 Coríntios 13 usam verbos subjuntivos. Normalmente, quando se usa o subjuntivo no grego, indica uma situação improvável, hipotética e hiperbólica. Para mostrar a necessidade primordial do amor, Paulo estava estendendo os seus comentários a respeito da linguagem aos limites máximos. Estava dizendo: “Não importa quão refinada, milagrosa ou maravilhosa seja a sua maneira de falar – mesmo que você pudesse falar a língua dos anjos – se você não tiver amor, você não é nada mais que um barulho”.

Embora seja difícil fazermos uma ligação absoluta, é fascinante notar que duas das religiões de mistério, comuns naquela região do mundo, tinham dois deuses falsos chamados Cybele e Dionísio. E na adoração de ambas essas divindades falsas usava-se o balbuciar extático acompanhado de batidas de címbalos, gongos e trombetas em clangor. Não temos nenhum meio de garantir que Paulo tivesse em mente tais religiões de mistério quando escreveu 1 Coríntios 13:1, mas é bastante provável que ele tivesse em mente a corrupção do dom de línguas ao escrever esta secção de sua carta à igreja de Corinto.

Se o principal propósito das línguas (línguas conhecidas) era sinal para o Israel descrente, conforme 1 Coríntios 14:21-22, então a única ocasião em que línguas poderiam ter significado para o crente seria quando elas fossem traduzidas. Dizer que o dom bíblico de línguas é a linguagem extática usada hoje pelos carismáticos em suas devoções particulares é forçar um significado no texto bíblico que não esta lá.

(Fonte: Monergismo - Extraído do excelente livro Os Carismáticos, John F. MacArthur Jr., Editora FIEL, pág. 156-157.)

3 comentários:

Edu Leal disse...

Muito bom e esclarecedor este texto.
Parabéns

pastor M. G. Anselmo disse...

Certamente Paulo quando menciona a língua dos anjos não afirma sua existência mas como bem mostrou o post faz uma hipotética afirmação. Seria como se afirmassemos: "se eu tivesse asas voaria para tal lugar..." A afirmação não resultaria em uma verdade mas numa hipótese.
Com relação já ao dom de línguas estranhas mencionado em outros textos do NT é curioso que tantas pessoas afirmam tê-lo e raras vezes se ouve sequer falar em dom de interpretação de línguas e quando ocorre é a própria pessoa que em fala em línguas que as interpreta. É no mínimo curioso, não acha?
Creio que Deus em sua soberania pode distribuir esse dom (não excluo, nego ou contesto essa possibilidade real), mas que muitos se utilizam dele para arrogar uma espiritualidade superior, isso é fato.
Por fim, MacArthur é sempre brilhante em suas ponderações.
Parabéns pela postagem.
Em Cristo,
Pr. Magdiel G Anselmo.

AGNALDO SILVA MARIANO disse...

Obrigado, pastor Magdiel, pela visita ao Blog.
Um forte abraço e que Deus oa bençoe.